imaginação

Hoje passei por aquele lugar onde prometi voltar só se fosse ao seu lado e pensei em parar. É meu lugar preferido na cidade. E, como todos os outros, me lembra você.

É segredo. Mas, desde que você surgiu na minha história – e muito pouco permaneceu – cada esboço das esquinas que o Planalto Central não tem são uma saudade de nós.

Demorei anos para notar que – mesmo de longe – você está comigo no meio de solidões e no vazio das multidões. É que eu gosto tanto de você, há tanto tempo – assim, de mansinho, para ninguém desconfiar – que meu mundo engoliu você pra dentro dele. Você está perdido em mim. E minha imaginação te carrega por aí. Sempre imaginando a gente juntos.

A saudade existe só para me lembrar que isso de nós não é tão impossível quanto minha vontade faz parecer. Ela quem dita o que é real ou não entre a gente. Se ela para de apertar, não é porque eu te esqueci. Só é quando eu aproveito e invento você por inteiro bem aqui.

Desisti de querer que o tempo, a distância ou as outras pessoas te levem de mim. Eu ainda quero você na minha vida. Um dia.

Enquanto esse futuro não vem, vou continuar te sentindo no vento que anuncia as chuvas, na sombra do rapaz que cruza apressado com sua camiseta velha de listras brancas e nas histórias de amor dos outros – que nunca vão ser tão bonitas como a nossa. A gente merece virar livro. Um romance. Já que nunca pudemos ser verdade.

 

você está na categoria cartas soltas

à toas no facebook

Pin It on Pinterest

Gostou? Compartilhe :)

Mostre para os seus amigos a realidade por outros ângulos.