encanto

Não estava nos meus planos encontrar você assim, de última hora. E, quando te encontrei, não estava na minha coragem romper a fase dos dois ou três olhares e tentar qualquer aproximação.

Não sei, acho que, mesmo sem saber, você acredita no amor mais do que eu. Alguém tinha que fazer isso por nós. Ou, sei lá, vai ver é verdade que essa sua ousadia não passa de teimosia e eu estou aqui, fantasiando sozinha um romance desses bonitos de se contar por aí, aos quatro ventos, igual aos de contos de fadas. Um romance que a gente nem vai viver. Mas que é bom só de pensar.

É que a vida da gente vem sempre com surpresas que não dá para imaginar. Eu não imaginava você. Aí vieram nossas vidas, cheias de pressa de acontecer, te trazendo pela mão e, mais depressa ainda, sem que desse tempo de entender, era eu quem estava na sua mão. E nos braços. E onde mais você quisesse me levar, eu ia, seguindo o ritmo da sua guitarra e o som do seu sotaque que agora eu ouço pelas ruas e sorrio. É tão bom lembrar de você.

Acho que há mesmo muitas pessoas encantadoras no mundo. O que define as relações, no fim, é a frequência com que elas encantam umas às outras.

Você me encanta. O tempo todo.

Me encanta o fato de você ter apostado fichas e expectativas em nós dois. E suas tentativas de me deixar feliz, só para amenizar o peso da realidade que me aguarda. Você provavelmente ainda nem percebeu que agora, mais do que nunca, eu queria ficar aqui sonhando, para sempre. Só para ter você nos meus sonhos.

Fico encantada quando você sorri seu riso meio bobo. Quando ouço sua voz que não combina nem um pouco com sua postura auto-confiante e inabalável. Ou quando você procura, todo atrapalhado, uma música em comum entre nós, qualquer uma que consiga nos unir para além das horas contadas do nosso quase amor tardio, que se esvai tão rápido, como areia numa ampulheta. A gente fica dando voltas e mais voltas, inventando um futuro que na semana que vem vai se perder em qualquer paralelo distante do real.

Mas, sabe, neste futuro, se eu quiser, posso fechar os olhos e vou dar de cara com a gente, juntos. Vai existir na minha lembrança um paralelo virando à esquerda no passado. Lá, eu vou ser só sorrisos ao te ouvir cantar baixinho, no meu ouvido, aquela música que a gente gosta. E, outro, virando à direita, onde vamos ser só saudade.

Até a saudade é doce quando ela é de você.

 

você está na categoria contos de sapos

à toas no facebook

Pin It on Pinterest

Gostou? Compartilhe :)

Mostre para os seus amigos a realidade por outros ângulos.